Um blogue de quem gosta de ler, para quem gosta de ler.

quinta-feira, 5 de março de 2015

To boldly go where no man has gone before

Os trekkers estamos de luto mais uma vez. No dia 27 de fevereiro de 2015, morreu o ator Leonard Nimoy, 83 anos, por complicações pulmonares ocasionadas pelo fumo durante muito tempo. Para quem ainda não se lembrou de quem se trata, Nimoy encarnava o personagem Resultado de imagem para sr. spockSr. Spock, um vulcano meio humano por parte de mãe. Era caracterizado com as sobrancelhas levantadas e as orelhas pontudas, o que lhe valeu, no início da série clássica Star Trek (Jornada nas Estrelas), um combate acirrado de várias confissões religiosas, pois, segundo elas, ele era a figura do diabo. A bem da verdade, faltavam o rabo, os chifres e os cascos fendidos.

Brincadeiras à parte, o trio central da série televisiva (transposta, mais tarde para as telonas com sucesso), formado pelo próprio Leonard Nimoy (oficial de ciências da Enteprise, Sr. Spock), William Shatner (capitão James Tiberius Kirk) e Jackson DeForest Kelley, falecido em 11/06/1999 (o médico Dr. McCoy) formavam personagens – como diria o nosso amigo orelhudo – fascinantes.

James Doohan, falecido em 20/07/2005 (o oficial de engenharia da nave estelar Enterprise), George Takei ( o Sr. Sulu, oficial do leme), Nichelle Nichols (Tenente Uhura), Walter Koenig (Pavel Andreyevich Tchekov) também eram importantes.

Em alguns casos, o personagem vivido por um ator é tão forte que ocorre uma inevitável superposição dele em detrimento do artista. Veja-se o 007 e Sean Conery; veja-se Spock e Leonard Nimoy. Em 1975, ele resolveu escrever sua primeira biografia, cujo título, I Am Not Spock causou um frisson entre os trekkers, pois entenderam que Nimoy recusava a identificação com o seu papel.  Mal-entendido desfeito depois, na segunda obra, I Am Spock.

Leonard fez sua última aparição no segundo filme revitalizado por J. J. Abrams, Além da Escuridão. É uma participação no mínimo intrigante, pois a “versão nova” de Spock (Zachary Quinto – é fascinante a semelhança física!) se encontra com a “versão velha” dele mesmo, estrelada por Nimoy.Resultado de imagem para sr. spock

Jornada nas Estrelas fez história. E esta história só pôde ser escrita com sucesso, em grande parte, pelo carisma de Leonard. O Sr. Spock primava pela lógica, embora sua metade humana lhe desse algum trabalho. Como evidência dessa tese, num dos episódios, Kirk lhe diz que “a cada dia que passa, você fica mais humano” e a resposta é pronta e típica de um vulcano: “Não vejo motivo para ser insultado.” Outras dele:

· Todos temos necessidades, mas como a maioria de nós, geralmente não sabemos do quê.

· A lógica é apenas o princípio da sabedoria, não o seu fim.

· A mudança é o processo essencial de toda existência.

· É curioso como vocês humanos conseguem obter o que vocês não querem.

· Nunca entendi a capacidade feminina de evitar uma resposta direta a qualquer questão.

E uma das minhas prediletas do “filósofo” Spock:

· As necessidades de muitos se sobrepõem às necessidades de poucos – ou de um.

Tornou-se famosa a saudação vulcana, feita com a mão espalmada e os dedos anelar e indicador afastados, acompanhados de um “Vida Longa e Próspera”. A introdução dos episódios tornou famosa também a expressão to boldly go where no man has gone before (audaciosamente indo onde nenhum homem jamais Resultado de imagem para sr. spockesteve).

O programa espacial da Nasa batizou seus ônibus espaciais reaproveitáveis de Enterprise em homenagem à série, numa cerimônia com a presença da tripulação do antigo seriado.

Obrigado, Leonard Nimoy, mais conhecido por Sr. Spock. Que Deus o tenha, muito embora você possa não achar esse meu desejo muito lógico...

Postar um comentário